Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
Thumbnail

A receita mais recomendada pelos especialistas: monitoramento e controle

O monitoramento integrado de pragas, famoso MIP, foi a expressão...

Thumbnail

Sua helicoverpa é armígera mesmo?

A lagarta que assombrou os agricultores brasileiros durante nas duas...

Thumbnail

Defensivos biológicos e inimigos naturais devem reduzir danos da helicoverpa no Distrito Federal

O uso de defensivos biológicos e inimigos naturais devem reduzir...

Thumbnail

Do controle biológico ao aplicativo de tablet: tecnologia na lavoura

No balanço do impacto da Helicoverpa armígera na safra 2013/2014...

Sua helicoverpa é armígera mesmo?

02 de abril de 2014 0

A lagarta que assombrou os agricultores brasileiros durante nas duas últimas safras não é fácil de ser identificada a olho nu. Há mais de uma espécie de lagarta do gênero helicoverpa, e duas são bem parecidas: a armígera e a zea. Enquanto a armígera ataca várias plantas (aldogão, soja, milho, tomate, citrus, entre outras), a zea gosta de milho, como mostra seu nome popular: lagarta-da-espiga (não confunda com a lagarta-do-cartucho do milho, essa é a Spodoptera frugiperda, completamente diferente).

Logo no início da safra, reunimos informações de vários pesquisadores para explicar aos agricultores que lagarta era esta. Depois, o Projeto Soja Brasil foi até a Embrapa Soja, em Londrina, e produziu um Técnica Rural mostrando como diferenciar as duas.

 

Outra espécie ainda se confunde com a temida armígera: a Heliothis virescens, conhecida como lagarta da maça. Os órgãos de pesquisa tiveram muito trabalho nesta safra analisando amostras para confirmar a espécie das lagartas encontradas nas lavouras de todo o país. Ainda assim, alguns especialistas mostraram aos produtores que o manejo das lagartas dos dois gêneros, helicoverpa e heliothis, poderia ser feito de forma integrada, melhorando a eficiência e controlando melhor os custos.

A receita mais recomendada pelos especialistas: monitoramento e controle

01 de abril de 2014 0

[ASSET-51603]Técnica Rural - De olho na lagarta - Como contabilizar as lagartas_thumbnailO monitoramento integrado de pragas, famoso MIP, foi a expressão mais utilizada por pesquisadores da Embrapa, técnicos e especialistas ao longo dessa safra. Para evitar prejuízos seja com um ataque massivo da lagarta, seja com aplicações excessivas e desnecessárias de inseticidas, a receita foi o olho na lavoura, todos os dias.

Foram dezenas de entrevistas de pesquisadores ao Canal Rural, todas insistindo no mesmo ponto, a começar pelo chefe da Embrapa Milho e Sorgo, Antônio Álvaro Corsetti Purcino, alertando que os produtores precisam estar na lavoura constantemente. Roberto Teixeira Alves, da Embrapa Cerrados, falou sobre o controle biológico.

O pesquisador e entomologista da Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados (MS), explicou como fazer a captura e amostragem das lagartas. O vazio sanitário também foi uma tecla intensamente batida por especialistas, como o fiscal federal do Ministério Agricultura em Mato Grosso, Wanderlei Dias Guerra.

O assessor da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Paulo Galerani,  esteve no Bancada Rural debatendo as formas mais adequadas de combate à lagarta.

No oeste da Bahia, as associações do agronegócio lançaram uma cartilha com orientações sobre o manejo da Helicoverpa armigera, explicando aos produtores como identificar a lagarta, seu ciclo de vida, comportamento e ações para monitorar a praga. A publicação propõe um calendário agrícola para o Oeste da Bahia e outro para uso racional de inseticidas nas culturas de soja, algodão, milho e outras. E em Luis Eduardo Magalhães, o engenheiro agrônomo e produtor rural Celito Eduardo Breda se organizou junto com todos os produtores da sua região para um trabalho coletivo de monitoramento integrado de pragas.

Técnica mostrou resultados

Mesmo encontrando alguma resistência e desconfiança de muitos produtores, aterrorizados com as perspectivas de perdas massivas para a lagarta voraz, o MIP mostrou resultados. Em Mato Grosso, o diretor técnico da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja), Neri Ribas, disse que a lagarta não não foi tão voraz quanto os produtores esperavam e, para ele, o segredo foi o monitoramento e o bom manejo. O mesmo aconteceu na região dos Chapadões, em Mato Grosso do Sul, de acordo com o pesquisador da Fundação Chapadão, Germison Tomquelski.

No Paraná, a Emater fez um levantamento no Estado e comprovou a eficiência do Manejo Integrado de Pragas. Nas propriedades onde foi feito este manejo, a aplicação de defensivos reduziu pela metade.

 

Além de muito material técnico publicado em seu site, a Embrapa realizou uma extensa caravana pelo país, levando informação aos produtores, e elaborou um resumo com cinco passos para o controle da lagarta.

Do controle biológico ao aplicativo de tablet: tecnologia na lavoura

01 de abril de 2014 0

16144539No balanço do impacto da Helicoverpa armígera na safra 2013/2014 há um ponto de destaque positivo: o desenvolvimento de tecnologias. Ao longo dos nove meses em que o Canal Rural esteve de olho na lagarta, vimos produtores, pesquisadores e técnicos buscando alternativas de monitoramento e controle das lagartas.

 

A Bug, uma empresa de Piracicaba (SP), começou os testes de controle biológico com uma vespinha da espécie Trichogramma, estudada desde a década de 1980 para o controle biológico de outras pragas e utilizada por diversos países no controle da helicoverpa.

 

No interior de São Paulo, o produtor João Pedro dos Santos criou uma armadilha que utiliza luz ultravioleta para atrair a lagarta, na tentativa de mapear a quantidade de mariposas na lavoura e, assim, decidir de forma mais acertada o momento certo da aplicação de inseticidas.

 

O setor algodoeiro de Mato Grosso também investiu em armadilhas luminosas e com feromônios para o monitoramento e controle da lagarta. Uma parceria entre o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMA) e o Instituto Brasileiro do Algodão (IBA) instalou 740 armadilhas pelo Estado no final de 2013, para monitorar as variedades de mariposas existentes nas lavouras. Toda semana um relatório completo mostra o tamanho da população de mariposas nas regiões produtoras.

 

Os smartphones e tablets também foram parar nas lavouras. Em Mato Grosso, o repórter Marcelo Lara encontrou produtores monitorando a lavoura com a ajuda do MIP Mobile, da Vanguarta Agro. A empresa tem 290 mil hectares de lavouras em cinco Estados.

 

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em parceria com a Universidade Técnica de Lisboa, também criou uma armadilha para capturar as mariposas nas lavouras e nos pastos. Alimentada com energia solar, a bateria que pode durar até 11 anos.

 

Controle biológico

O controle biológico está entre as ferramentas tecnológicas disponíveis para o combate à helicoverpa. A vespinha Trichogramma, como já mostrado acima, é uma das possibilidades, mas ela tem uma limitação de aplicação: exige muita mão de obra. Para contornar isto, a Embrapa, a Aprosoja/MT, a Fundação MT, a ABR Controles Biológicos e o Grupo Gianchini, de Cláudia (MT), realizaram testes de aplicação aérea do Trichogramma nesta safra.

Até mesmo alguns nematóides podem ser utilizados, técnica que os Estados Unidos e países da Europa já utilizam há 30 anos. No Brasil, as pesquisas com essa praga teve início há cerca de dez anos e, embora os resultados conclusivos ainda precisem de mais um ou dois anos para serem publicados, já há produção comercial em Indaiatuba, interior de São Paulo.

Técnica ajuda a diminuir avanço da helicoverpa

19 de março de 2014 0

01rbrcelito

Em Luis Eduardo Magalhães, na Bahia, a lagarta helicoverpa sempre foi um problema. Mas há um ano, Celito Eduardo Breda, engenheiro agrônomo e produtor rural, implantou uma técnica em que todos os produtores fazem um trabalho coletivo para eliminar a lagarta.

Helicoverpa e falsa medideira atacam no Sul

19 de março de 2014 0

01rbrmec

Em Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, Fernando Della Mea, produtor rural, fala que o clima foi de muita seca na região e a situação se tornou ainda mais complicada com a presença de pragas.